Aprovada na convocatória “Conjugar Ciudad”, foi desenvolvida em um programa de residência no La Paternal Espacio y Proyecto, em Buenos Aires, Argentina. Com o tema “Toda cidade necessita de um olhar que a mova” e baseada na Carta Mundial de Direito à Cidade, a instalação aborda três questões: a cidade, o olhar e o movimento. Trata-se de um convite para reconsiderarmos nosso modo de interagir e ocupar nossas cidades.
A instalação consistia de duas obras, sendo uma área com esculturas eletrônicas e uma projeção interativa. A primeira era iluminada por leds à base de baterias e composta por 30 caixas formadas por uma estrutura de disquetes. Quando abertas pelo público, exibiam fotos impressas de janelas de imóveis em Buenos Aires e mensagens baseadas na carta de direitos das cidades.
Também com o princípio do movimento gerar um descobrimento, as projeções exibidas na abertura da exposição continham imagens de janelas fechadas. Quando ativadas pelo público por meio de um sensor, se abriam e revelavam frases da carta dos direitos das cidades.

“Questiona como olhamos para nossa cidade e o que fazemos para mudá-la. É uma situação lúdica com o movimento e o descobrimento, tendo o conceito de ‘você, a janela da janela’. Ou seja, o ação era abrir o disquete, e o ‘olhar de que a movimenta’ vinha de quem havia aberto ele.”